Dallagnol quer entrar no ‘basta!’, afere Demóstenes Torres

Coordenador da Lava Jato tem força

Augusto Aras deve ter firmeza

No último fim de semana, a nação foi surpreendida com duas entrevistas concedidas pelo procurador da República Deltan Dallagnol, uma à revista Veja e outra ao jornal Folha de S.Paulo. O que chamou a atenção? Temos, agora, o Bardo de Pato Branco comungando das mesmas teses dos intrépidos defensores do regime constitucional.

A guinada folclórica talvez se insira na carraspana que o procurador-geral da República, Augusto Aras, e a Dra. Lindôra Araújo desferiram contra um império que afrontou terrivelmente as bases do direito até então conhecido, criando uma nova modalidade que se espalhou Brasil afora, premiadíssimo pela imprensa cabocla, que originou a chamada República de Curitiba.

Disse Dallagnol à Veja, sobre a tentativa da administração superior do Ministério Público Federal acessar o acervo que a Lava Jato construiu até agora:

Esse material foi integralmente requisitado pelo procurador-geral em maio, como a própria Procuradoria-Geral tornou público. Contudo, há muitas informações sigilosas e seu compartilhamento deve obedecer aos procedimentos legais, o que não permitiu que fosse desde logo atendida a solicitação.

Uma evolução darwiniana. Quando lançou os novos “10 Mandamentos Curitibanos”, a proposta nº 1, apresentada com espalhafato, fazia alusão à necessária transparência dos atos judiciais e ministeriais:

A primeira visa à transparência, por meio da criação da regra de accountability e eficiência do Ministério Público e do Poder Judiciário. Trata-se de um gatilho de eficiência. […] Os Tribunais e os Ministérios Públicos são orientados a fazer estatísticas sobre a duração do processo em cada órgão e instância, bem como a encaminhar os dados para o CNJ e CNMP, a fim de que esses órgãos possam avaliar as medidas cabíveis, inclusive legislativas.

Sobre os ataques que fez ao Supremo Tribunal Federal:

Fiz críticas respeitosas, como a de que parte das decisões passava uma forte mensagem de leniência em relação à corrupção. Hoje o que nós vemos é uma radicalização do discurso. Muitas pessoas têm pregado o fechamento das instituições e o cometimento de crimes contra ministros. Isso é absolutamente descabido, antidemocrático e deve ser alvo de toda a força da lei, desde que dentro do devido processo legal.

No entanto, nas conversas divulgadas pelo Intercept Brasil, ele e seu chefe imediato, Sergio Moro, travam o seguinte diálogo:

Dallagnol – E parabéns pelo imenso apoio público hoje. […] Seus sinais conduzirão multidões, inclusive para reformas de que o Brasil precisa, nos sistemas político e de justiça criminal. […].

Moro – Ainda desconfio muito de nossa capacidade institucional de limpar o Congresso. O melhor seria o Congresso se autolimpar mas isso não está no horizonte. E não sei se o STF tem força suficiente para processar e condenar tantos e tão poderosos.

Os messiânicos declaravam naquele instante que só eles poderiam salvar o Brasil, já que Congresso e Judiciário seriam impotentes para essa missão. E mais, quando se utilizaram, ele e a procuradora da República Thaméa Danelon, do advogado Modesto Carvalhosa como laranja para propor o impeachment do ministro Gilmar Mendes:

Seriam essas as tais críticas respeitosas?

Vale a pena ler porque, apesar da nova fase, parecem, na realidade, cinzas de carvão ocultando a brasa. Sem dizer o nome, ataca o ministro Alexandre de Moraes; diz que o inquérito produzido por ele sobre os atos antidemocráticos não podia ter sido iniciado, que é excessivo o uso da Lei de Segurança Nacional e que tudo se resolveria no campo dos crimes contra a honra (calúnia, injúria e difamação). Quer produzir “uma vacina”, parece.

Mas o trecho que mais me comoveu, sinceramente, foi a parte em que Deltan reconhece que o foco do país, hoje, não deve ser mais centrado no combate à corrupção, numa imensa platitude:

Entendo que hoje o foco do país é e deva ser a promoção da saúde, o combate à pandemia e a recuperação econômica, mas isso precisa ocorrer sem esquecermos a importância da integridade na gestão da coisas.

Pior, ele insiste na desinformação de que o Supremo e Tribunais Superiores continuam agasalhando os criminosos do colarinho branco. O IDP, escola pertencente a Gilmar, ofereceu um curso curto no mês passado, com o tema “Sistema de Justiça Criminal e Macrocriminalidade: Aspectos Criminológicos”, ministrado pela espetacular professora Carolina Costa Ferreira. Numa dessas aulas da disciplina, na qual deveria estar matriculado, um estudo feito pelo advogado Pedro Ivo Velloso Cordeiro conclui que há um grande avanço de condenações por crimes de colarinho branco, especialmente corrupção (hoje, o delito da moda), em índice muito superior ao de absolvições.

Na Folha, defende Sergio Moro veladamente e esculhamba Bolsonaro ao dizer que o protótipo de ditador não se originou do esfacelamento que a classe política sofreu com a Lava Jato. Diz não ser inimigo de Lula, mas reparem: ele, na Vaza Jato, após compartilhar uma notícia sobre um contato telefônico entre Lula e o ministro do STF Gilmar Mendes, em que o ex-presidente teria se emocionado, o procurador Roberson Pozzobon comentou que seria “Estratégia para se ‘humanizar’, como se isso fosse possível no caso dele rsrs“.

Deltan, comentando postagem de Laura Tessler sobre o discurso de Lula no velório de Marisa: “Uma bobagem“. “Bobagem total… ninguém mais dá ouvidos a esse cara“.

Tenho a impressão de que ele quer sair da Lava Jato como herói, a autoridade que diz combater o mal-feito, mas foi defenestrada pelo “sistema”. Uma saída à la Moro. Aras deve ter firmeza, porque está andando em cacos de vidro. Dallagnol mostrou que ainda tem força, ao aparecer em 2 grandes veículos de comunicação num mesmo fim de semana. E quando se expuser as traquinagens secretas da Lava Jato, contará ainda com o apoio sistemático de considerável parcela da opinião pública, que acredita mesmo nos fins, os quais, para ela, foram atingidos.

Mas vai que eu esteja sendo ranzinza; que o pato-branquense, de fato, agora é um democrata. Não deixa de ser delicioso vê-lo como subalterno do Kakay.

Fonte: Poder360.



Categorias:Home, Lava Jato

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: