Edmar Santos, ex-secretário de Saúde do Rio, é preso

MP-RJ deflagrou operação nesta 6ª

Acusado de desviar verba da covid-19

O ex-secretário de Saúde do Rio de Janeiro, Edmar Santos, foi preso nesta 6ª feira (10.jul.2020). É acusado de ter desviado dinheiro na compra de respiradores pelo governo de Wilson Witzel (PSC).

Há suspeitas de fraudes em contratos firmados sem licitação para a compra de respiradores, medicamentos e leitos privados.

Por volta das 6h30, os promotores chegaram ao endereço residencial de Santos em Botafogo, na Zona Sul da capital. A informação inicial sobre a prisão era que ele havia sido detido em Itaipava, na Região Serrana, onde tem uma casa. No entanto, por volta das 7h50, o MP disse que ele foi encontrado em Botafogo.

Quando deixou a Secretaria de Saúde, Santos perdeu a prerrogativa de foro. Quem faz a operação é o Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro, sem participação da Polícia Civil.

Santos e outras 7 pessoas são acusados pelo Ministério Público de improbidade administrativa. Todos os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Criminal Especializada da Capital.

IRREGULARIDADES

PREFEITURA DO RIO CONCLUI OBRA DO HOSPITAL DE CAMPANHA DO RIOCENTRO

Depois de uma auditoria feita em contratos emergenciais, o TCE (Tribunal de Contas do Estado) do Rio apontou superfaturamento na compra de 1.000 respiradores por R$ 123 milhões — 3 vezes o valor de mercado.

A auditoria apontou 7 possíveis irregularidades:

  • contratação de empresas inaptas ao fornecimento emergencial pretendido;
  • direcionamento Ilícito da contratação; pagamento antecipado sem a prestação de garantia;
  • ausência injustificada de estimativas de preço;
  • ausência injustificada de estimativas de quantidade;
  • sobrepreço injustificado das contratações emergenciais;
  • liquidação irregular de despesa, pelo recebimento de equipamentos inservíveis para os fins a que se destinava a contratação.

Em 26 de maio, o MP-RJ ajuizou uma ação contra Santos por improbidade administrativa na contratação de serviços para as áreas atendidas pelo Samu (Serviço Móvel de Emergência) na capital fluminense. De acordo com o MP, a ação civil pública aponta práticas de sobrepreço, superfaturamento e antecipação ilegal de pagamento à Ozz Saúde.

Fonte: Poder360.



Categorias:Home, Justiça, Saúde

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: