85% afirmam que tomariam vacina contra coronavírus; 8% dizem que não

Bolsonaristas rejeitam mais

Até 14% negam que tomariam

Leia pesquisa DataPoder360

Pesquisa DataPoder360 mostra que 85% dos entrevistados afirmam que tomariam com certeza uma vacina contra o coronavírus. Os que dizem que não tomariam são 8%. Outros 7% não sabem responder.

A pesquisa foi realizada de 6 a 8 de julho de 2020 pelo DataPoder360, divisão de estudos estatísticos do Poder360, por meio de ligações para celulares e telefones fixos.

Foram 2.500 entrevistas em 512 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Só no Brasil o coronavírus já infectou ao menos 1.884.967 pessoas e matou 72.833 até esta 2ª feira (13.jul.2020). Infectologistas apontam o isolamento social como melhor forma de conter o vírus.

O método, porém, tem graves efeitos sobre a economia. Aplicado por longos períodos também pode ter implicações sobre a saúde mental da população.

A vacinação em massa, em tese, seria 1 mecanismo eficaz para possibilitar a volta das atividades normais sem causar 1 morticínio ainda maior.

A substância, porém, ainda não foi formulada. Até 9 de julho, havia 158 tentativas em andamento para desenvolver uma vacina contra o coronavírus, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde). Dessas, 21 em testes clínicos.

No final de junho, o governo federal anunciou 1 acordo para produzir no Brasil a vacina que está sendo desenvolvida pela universidade britânica de Oxford.

O Estado de São Paulo também buscou acerto com uma das empresas que tentam desenvolver uma outra vacina.

Em ambos os casos há 1 risco embutido nos negócios. As substâncias ainda estão em desenvolvimento. Pode ser que não funcionem.

BOLSONARISTAS E A VACINA

O percentual de pessoas que diz que não tomaria a substância é maior que a média entre apoiadores do presidente. Dos que consideram o trabalho de Jair Bolsonaro ótimo ou bom, 14% declaram que com certeza não tomariam.

Neste grupo, 80% dizem que tomariam com certeza e 6% não sabem responder.

No grupo que declara aprovar o governo de Jair Bolsonaro, 11% dizem que não tomariam a vacina. Os que tomariam são 83%, e 7% não sabem responder.

No cruzamento da possibilidade de vacinação com a popularidade do presidente, o grupo que mais declara que tomaria a vacina é o de quem acha o trabalho de Bolsonaro regular.

Nesse estrato, 89% afirmam que tomariam a vacina com certeza, e 4% dizem que não. Entre os que dão avaliação negativa para Bolsonaro, 86% dizem que tomariam e 6% dizem que não.

Na parcela da população que desaprova o governo, 89% afirmam que tomariam a substância, e 6% dizem que não.

O presidente Jair Bolsonaro minimizou a pandemia em diversos momentos. ele chegou a entrar em atrito com governadores, fazendo oposição ao isolamento social.

DEMAIS ESTRATOS

A variação foi mais alta entre as faixas etárias. Quem tem de 16 a 24 anos em 18% dos casos diz que não tomaria a vacina. A percentagem cai para 5% na faixa seguinte, de 25 a 44 anos. São 7% na faixa dos 45 aos 59 anos e 6% no grupo que tem 60 anos ou mais.

Entre os homens, 6% dizem que não tomariam a vacina. A percentagem no grupo das mulheres é de 9%. Dizem que tomariam a vacina 87% deles e 84% delas.

A pesquisa também mostra que a disposição para tomar uma vacina é maior nas faixas com maior escolaridade. No grupo com ensino superior, 91% dizem que tomariam e 3% dizem que não. Entre os que têm apenas ensino fundamental as cifras são 83% e 11%, respectivamente. No nível médio, 85% dizem que tomariam e 6%, não.

Os habitantes dos Sul e do Sudeste são os que mais frequentemente dizem que tomariam uma vacina (88% e 87%, respectivamente). Os números são mais baixos no Norte e no Nordeste (81% e 82%).

A disposição para tomar a vacina aumenta dos sem renda (82% dizem que com certeza tomariam) até os 10 salários mínimos (92%). No grupo que recebe mais de 10 salários mínimos, porém, a percentagem que afirma que tomaria a vacina com certeza cai para 86%.

Movimento semelhante é observado nos casos que rejeitam a possibilidade de tomar a substância. Essa parcela diminuiu de 11% nos sem renda até 1%, no limite de 10 salários mínimos. Entre os que ganham mais que isso, 4% dizem que não tomariam a substância.

PESQUISA DATAPODER360

Leia mais sobre a pesquisa DataPoder360:

O conteúdo do DataPoder360 pode ser lido nas redes sociais, onde são compartilhados os infográficos e as notícias. Siga os perfis da divisão de pesquisas do Poder360 no Twitter, no Facebook, no Instagram e no LinkedIn.


Informações deste post foram publicadas antes pelo Drive, com exclusividade. A newsletter é produzida para assinantes pela equipe de jornalistas do Poder360. Conheça mais o Drive aqui e saiba como receber com antecedência todas as principais informações do poder e da política.

Fonte: Poder360.



Categorias:Home, Saúde

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: