Paulo Marinho diz que Queiroz foi obrigado a dar senha de contas bancárias

Prestou depoimento ao MPF no Rio

Queiroz é investigado por rachadinha

No gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj

O empresário Paulo Marinho disse em depoimento ao Ministério Público Federal que Fabricio Queiroz foi obrigado a dar senhas de contas bancárias antes de ser envolvido na Operação Furna da Onça. O montante presente nessas contas seria superior ao R$ 1,2 milhão divulgado anteriormente. A informação foi veiculada pelo “Jornal Nacional”, da TV Globo, nesta 6ª feira (24.jul.2020).

Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio, é 1 dos investigados na Furna da Onça. Ele é acusado de participar de suposto esquema de “rachadinha” –a prática de tomar parte do salário de servidores– no gabinete de Flávio na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). Flávio, que foi deputado estadual antes de se tornar senador, nega ter recebido informações vazadas sobre a operação. Entenda mais sobre a investigação neste post do Poder360.

O “Jornal Nacional” teve acesso ao vídeo do depoimento, ocorrido em 21 de maio de 2020. Marinho, que é suplente de Flávio no Senado, relatou o que disse ter ouvido em uma reunião em 13 de dezembro de 2018. Ele explicou que Flávio escolheu 3 pessoas que seriam responsáveis por recolher informações com 1 delegado da PF: Victor Granado (amigo do senador), Valdenice Meliga (ex-assessora de Flávio) e Miguel Angelo Braga (atual chefe de gabinete de Flávio).

O Braga fala com o Flávio, o Flávio designa, então, que o Braga, o Victor e a Val fossem ao encontro dessa pessoa para saber do que se tratava. E, aí, fizeram contato e marcaram 1 encontro na porta da Polícia Federal. Esse suposto delegado disse aos 3, ou disse ao Braga, ‘vocês, quando chegarem, me telefonem, que eu vou sair de dentro da Superintendência, até para você ver que sou 1 policial, que estou lá dentro, e lá fora a gente conversa’“, disse Marinho.

Foi a partir desse encontro, segundo Marinho, que a informação da existência da operação chegou ao clã Bolsonaro. Ele disse também que o delegado afirmou que, para não atrapalhar a eleição presidencial de 2018, a Furna da Onça seria deflagrada depois do 2º turno.

Marinho contou que, depois de receber a informação, Victor Granado obrigou Queiroz a fornecer senhas de contas bancárias: “Aí o Victor começou o relato. Disse: ‘Olha, eu ontem estive com o Queiroz e obriguei o Queiroz a me repassar todas as senhas das contas bancárias dele e eu passei essa madrugada toda entrando nas contas do Queiroz e os montantes que eu descobri, informei agora de manhã para o Flávio, são muito superiores a esses que a imprensa está noticiando. Inclusive porque esses se referem a anos anteriores a esses que a imprensa está noticiando’. Quando ele relata que deu, que teve acesso às contas do Queiroz e que ficou estarrecido porque os valores eram muito superiores a esse 1,2 milhão“.

Desde que Marinho disse à Folha de S. Paulo que Flávio foi avisado da operação, ele e o senador trocam acusações. Flávio afirmou que o suplente queria sua vaga no Senado. Marinho disse que era melhor o senador “não pagar de gostosão“. Em seguida, Flávio acusou Marinho de ter “imóvel em nome de laranja e pagar aluguel para si mesmo”. Na 2ª feira (20.jul.2020), Marinho disse que aceita participar de uma eventual acareação com o senador.

Fonte: Poder360.



Categorias:Home, Justiça

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: