Justiça arquiva inquérito da operação Acrônimo

Fernando Pimentel está livre

Decisão beneficia Mario Rosa

O juiz Marcus Vinicius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal em Brasília, determinou na 3ª feira (28.jul.2020) o arquivamento do inquérito que apurou suspeitas de pagamentos indevidos de R$ 8 milhões pelo grupo Casino envolvendo o ex-governador de Minas Gerais Fernando Pimentel e os consultores Mario Rosa e Carolina de Oliveira Pereira (hoje mulher de Pimentel).

Eis a íntegra da decisão do juiz Marcus Vinicius (105 KB).

Com o arquivamento, Pimentel, Mario Rosa e Carolina de Oliveira ficam sem pendências com a Justiça nesse caso.

O arquivamento do inquérito havia sido requisitado na semana passada (em 23 de julho) pelo procurador da República Frederik Lustosa de Melo (eis a íntegra do pedido [337 KB]).

Por considerar que não existiam provas contra os investigados, o procurador pediu o encerramento do inquérito que apurou suspeitas de que o grupo Casino teria tentado influenciar atos no BNDES relacionados a uma negativa de financiamento para fusão entre o Grupo Pão de Açúcar e o Carrefour.

Batizada de Operação Acrônimo, a investigação envolveu operações de busca e apreensão em endereços de 3 Estados e no Distrito Federal em 2015.

No documento no qual pediu o arquivamento, o procurador Frederik reconheceu a notoriedade do jornalista Mario Rosa como consultor de empresas. “Há provas de que há bastante tempo ele já era requisitado por grandes empresas do cenário nacional visando gerenciar crises de imagem. Veja-se que o próprio Abílio Diniz afirmou em seu depoimento que também tentara contratar Mario Rosa mas este lhe informou que as negociações com o Casino já estariam avançadas, o que demonstra seu prestígio no mercado”, afirmou.

De propriedade de Mario Rosa, a empresa MR Consultoria tinha contrato com o Casino e subcontratou a Oli Comunicação, de Carolina de Oliveira. Conforme Mario Rosa, a jornalista Carolina foi contratada para ser sua assistente na disputa entre o Casino e Abílio Diniz, do Grupo Pão de Açúcar. Na época, Pimentel era ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

“Independente de qual interesse tenha motivado a subcontratação, tal fato não pode ser tomado como prova da existência de um esquema delituoso, conforme apontado pela autoridade policial”, disse o procurador. “Após a quebra de sigilo telemático dos indiciados nada se encontrou envolvendo qualquer tratativa ilícita, mas tão somente negociações acerca de aditamentos ao contrato”.

Segundo o representante do Ministério Público Federal, depois da conclusão das investigações, não é possível afirmar que os consultores exerceram qualquer tipo de influência sobre o BNDES. Além disso, o procurador disse que relatório final do BNDES foi peremptório ao concluir não ter ocorrido esse tipo de influência.

No despacho assinado na 3ª feira (28.jul.2020), o juiz Marcus Vinicius Reis Bastos determinou o arquivamento do inquérito. Para tomar a decisão, ele baseou-se nas conclusões do Ministério Público Federal.

“Foram 5 anos e 1 mês de muito sofrimento e muitas transformações em minha vida: meu casamento de 18 anos acabou, minha filha entrou em depressão, eu tive de enfrentar inúmeras perdas, de clientes, de paz, de todos os tipos. Mas fico feliz que ao final de tudo as instituições tenham funcionado e minha inocência tenha sido reestabelecida”, declarou Mario Rosa.

Fonte: Poder360.



Categorias:Home, Justiça

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: