Investigado no inquérito das fake news, Allan dos Santos diz que saiu do Brasil

Fez acusações contra Barroso e Moraes

Disse que ministros do STF prevaricaram

‘Há escutas para criminalizar Bolsonaro’

Não apresentou provas das acusações

O jornalista Allan dos Santos, dono do site Terça Livre, afirmou na noite de 5ª feira (30.jul.2020) que está fora do país. Não informou, no entanto, sua localização.

A declaração foi feita em uma live promovida pela deputada federal Bia Kicis (PSL-DF). A transmissão contou com a participação do youtuber de extrema-direita Bernardo Küster, também alvo do inquérito das fake news; e do norte-americano Ryan Hartwig, ex-funcionário da Google que teria denunciado a empresa no Congresso americano por suposta censura a conservadores na internet.

Assista (4min54s):

Allan dos Santos é 1 dos investigados pelo STF (Supremo Tribunal Federal) no inquérito das fake news e em outro processo que apura a organização e financiamento de atos contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal.

Na live, o jornalista acusou, sem apresentar provas, os ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes de prevaricação. Segundo ele, os magistrados têm conhecimento sobre a existência de supostas escutas para “espionar” o presidente Jair Bolsonaro.

Allan dos Santos disse que 1 servidor do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) teria contratado uma empresa de varredura para identificar grampos telefônicos. Ele declarou que uma suposta varredura teria identificado 3 maletas de escuta telefônica: uma na embaixada da China; outra na embaixada da Coreia do Norte; e uma na casa do advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay.

Para ele, o objetivo da “espionagem” seria para buscar provas para “criminalizar” Bolsonaro e cassar seu mandato de presidente da República.

“A Suprema Corte brasileira está agindo de maneira ditatorial e também criminal. Já está certo de que existe 1 voto para cassar o presidente Bolsonaro e ali nós temos o voto já pronto do Fachin, do Barroso e do Alexandre de Moraes, que é quem está censurando as redes sociais. E aí, descobriram-se 3 maletas de escuta telefônica no Brasil, uma na casa do Kakay, que é advogado do PT. O outro endereça é na embaixada da Coreia do Norte e a outra maleta de escuta está na embaixada do China”, disse.

O jornalista disse que só passou essas informações na live porque já não está no país. “Se eu estivesse [no  Brasil], eu estaria com medo de morrer, essa é a verdade. Porque estamos lidando com criminosos. Eu estou acusando, aqui, agora, o Luís Roberto Barroso de prevaricação. Ele prevaricou. Ele tem uma informação de escuta telefônica vindo de duas embaixadas. Isso é contra qualquer Lei de Segurança Nacional e ele não avisou o presidente da República. Então ele prevaricou”, afirmou.

“Se alguma coisa acontecer comigo ou minha família. Só veio dessas pessoas e grupos”, disse, sobre as embaixadas da China e Coreia do Norte e sobre Kakay.

De acordo com o jornalista, a Polícia Federal instalou escutas em sua casa quando ela foi alvo de busca e apreensão.

“A única maneira de eu poder dar essa informação é fora do país. Hoje eu estou fora do país, seguro. E estou dando aqui essa notícia para vocês, estão fazendo escuta telefônica. Fizeram duas buscas e apreensões na minha casa para colocar escuta e ninguém teve duas buscas e apreensões. Porque eles colocaram uma escuta na 1ª busca e retiraram na 2ª, provavelmente. Então, eles fizeram de tudo que pudessem criminalizar o presidente Bolsonaro e utilizar isso no TSE. Inclusive, quebraram o meu sigilo bancário para tentar encontrar alguma coisa e não encontraram. São criminosos, eles não respeitam a democracia, não respeitam a liberdade”, disse.

SUSPENSÃO DOS PERFIS

Em 25 de julho, o ministro Alexandre de Moraes, do STF, determinou a suspensão do perfil do jornalista nas redes sociais e de outros bolsonaristas. No entanto, eles continuaram utilizando as mídias de forma alternativa. Na 5ª feira (30.jul.2020), o ministro ordenou ao Twitter e ao Facebook a suspensão internacional dos perfis dos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro.

No último sábado (25.jul.2020), Bolsonaro entrou com ação no Supremo contra a medida de Moraes. Pediu a liberação dos perfis dos aliados com base nos direitos fundamentais de liberdade de expressão. O relator do caso será o ministro Edson Fachin.

Fonte: Poder360.



Categorias:Home, Justiça

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: