EUA querem Brasil como aliado para reformar OMS

Projeto foi enviado ao Brasil

Desagrada França e Alemanha

O governo dos Estados Unidos quer o apoio do Brasil para realizar 1 reforma na OMS (Organização Mundial de Saúde) e “blindar” a entidade da influência da China no futuro. Segundo informações do UOL, o governo brasileiro recebeu o projeto norte-americano sobre como recriar a estruturas da entidade.

O documento enviado de Washington é composto por 1 conjunto de propostas para redefinir o papel da OMS. O projeto produzido pelo EUA e a insistência do país em estabelecer uma agenda da reforma e os princípios da entidade desagradou os governos da França e Alemanha, que abandonam provisoriamente uma negociação no inicio de agosto.

A irritação por parte dos europeus é causada pelo fato dos Estados Unidos terem anunciado sua saída da organização e fim do repasse de recurso e, ao mesmo tempo, quererem comandar a reforma da organização.

A estratégia norte-americana é aprovar o plano no G7 (grupo das sete maiores economia do mundo), que, neste semestre, é presidido por Donald Trump. O próximo alvo seria o G20, no qual o governo de Washington precisaria do apoio dos seus aliados para conseguir aprovar sua visão de uma nova OMS. Segundo negociadores estrangeiros, o Brasil seria fundamental para essa etapa. Diplomatas no Itamaraty confirmaram, ao UOL, que o documento da proposta americana com princípios foi circulado ao país.

A esperança dos Estados Unidos era de que 1 projeto chancelado pelo G7 e G20, as maiores economias do mundo, teria uma influencia decisiva e não poderia ser ignorado pela OMS, ainda que a organização tenha 190 membros.

Na pandemia de covid-19, a OMS passou ao centro do debate. A entidade recebeu acusações de ter demorado a dar uma resposta e de ter sido complacente com a China, ponto de origem do vírus. No entanto, a organização justifica o que fez pela dependência que hoje tem de receber autorização de governos para que possa visitar locais e apurar a existência de surtos. A OMS também afirma que quando declarou emergencia internacional, em 31 de janeiro, existiam menos de 100 casos confirmados  fora da China.

Os planos do governo Trump para OMS podem ser duramente afetados pela ruptura com os europeus. A Alemanha, que lidera UE (União Europeia), quer evitar apoio ao projeto norte-americano. O governo de Berlim vê a proposta como excessivamente critica à OMS e podendo servir apenas de plataforma eleitoral para Trump.

No G7, o consenso é que a pandemia revelou uma necessidade de reforma na entidade de saúde. Mas, ao invés de esvaziar a agência, isolar a China e criticá-la, a proposta do grupo vai no sentido de fortalecer a organização de saúde.

França e Alemanha apresentaram sua ideia de reforma e querem dar maiores poderes, mais dinheiro e independência para a OMS, incluindo a liberdade para fazer vistoria e investigar surtos em diferentes países do mundo com maior autonomia. O entendimento é que com 1 orçamento de apenas US$ 2 bilhões, valor equivalente ao de 1 grande hospital dos Estados Unidos, a organização não tem condições de cumprir sua missão.

Fonte: Poder360.



Categorias:Home, Política

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: