Anvisa recomendou governo a usar hidroxicloquina só para doenças aprovadas

Enviou nota informativa em abril

Bolsonaro defende uso em covid-19

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recomendou ao Ministério da Saúde e ao Comitê de Crise para Supervisão e Monitoramento dos Impactos da Covid-19 que os comprimidos de hidroxicloroquina fabricados pelo Laboratório Químico e Farmacêutico do Exército e pelo Instituto de Tecnologia em Fármacos da Fiocruz fossem destinados exclusivamente as indicações terapêuticas já aprovadas pela agência e que constam na bula do medicamento.

A recomendação da Anvisa foi feita por meio de uma nota informativa enviada ao Ministério da Saúde e ao Comitê de Crise em abril. A íntegra foi obtida via LAI (Lei de Acesso à Informação) pela newsletter Don’t LAI to me. Eis a íntegra (83kb).

Entre as doenças tratadas com hidroxicloroquina estão malária, lúpus e doenças reumáticas. Ainda não há comprovação cientifica sobre a eficácia do medicamento contra a covid-19, mas o uso já foi defendido diversas vezes pelo presidente Jair Bolsonaro.

Em 13 agosto, durante inauguração de obra no Pará, Bolsonaro disse que mais de 100 mil mortes por covid-19 teriam sido evitadas caso as pessoas tivessem sido tratadas com cloroquina de forma precoce.

O documento enviado pela Anvisa traz informações sobre a comercialização e consumo de comprimidos de sulfato de hidroxicloroquina com base em dados do 1º semestre de 2019 e setembro de 2019 a fevereiro de 2020 compilados pelo SAMMED (Sistema de Acompanhamento do Mercado de Medicamentos).

Segundo a nota, o consumo de hidroxicloquina para as indicações terapêuticas aprovadas é de 3,4 milhões de comprimidos por mês.

O ministro Eduardo Pazuello chegou a dizer, em 13 de agosto, que os estoques de hidroxicloroquina da pasta para auxílio no tratamento da covid-19 estvam zerados no país. A fala foi durante audiência pública na Comissão Mista do Congresso, que fiscaliza as ações do governo no combate à epidemia.

Nosso estoque hoje [16.ago], no Ministério da Saúde, é zero. Não temos nem 1 comprimido para atender as demandas. Nós temos uma reserva de 300 mil itens, apenas para atender malária, guardada, o que representa algo em torno de 20% do que eu preciso por ano. Temos uma demanda reprimida hoje de mais de 1,6 milhão de doses para Estados e municípios, só hoje”, afirmou o general na ocasião.

No entanto, na 4ª feira passada (19.ago), o Exército contrariou o ministro e afirmou que o estoque de cloroquina 15o mg é de 922.880 comprimidos e que não recebeu mais pedidos de fabricação. Até julho, os militares chegaram a produzir quase 3 milhões de comprimidos.

Fonte: Poder360.



Categorias:Home, Saúde

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: