PGR aponta que Witzel criou ‘rachadinha’ na Saúde do Rio de Janeiro

Cidades ‘devolviam’ parte de repasses

Superfaturavam obras ligadas à Saúde

A PGR (Procuradoria Geral da República) apontou que o governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), criou uma espécie de “rachadinha” de repasses do Fundo Estadual de Saúde para desviar dinheiro público.

De acordo com a denúncia (íntegra – 28 MB), 7 municípios repassavam até 10% do valor que recebiam do fundo para os participantes do esquema. São eles: Petrópolis, São João de Meriti, Paracambi, Itaboraí, Magé, Saquarema e São Gonçalo.

Segundo a PGR, o plano era executado por Edmar Santos, ex-secretário e agora delator. O esquema foi delatado pelo empresário Edson Torres. Ele compareceu ao MPF (Ministério Público Federal) voluntariamente depois que a operação Tris in Idem, que culminou no afastamento de Witzel, foi deflagrada no fim de agosto.

Apontado como operador financeiro do grupo, Torres não citou nomes. Disse, entretanto, que os municípios escolhidos recebiam valor superior ao que teriam direito. A divisão do montante destinado à Saúde deveria ser feito levando em conta o tamanho de cada município. No entanto, isso não aconteceu.

Houve também ajustes de pagamento de vantagem indevida, devendo o gestor do município agraciado com a verba devolver parte do valor para o grupo que o direcionou. Em Petrópolis, São João de Meriti, Paracambi e Itaboraí houve o ajuste de retorno de valores de 10% para o grupo. O valor era recolhido junto aos prefeitos, ou a quem eles indicavam, por Pedro Osório, que entregava o dinheiro para o Edson Torres ou para Pastor Everaldo. Além destes municípios, também foram recolhidos valores nas cidades de Magé, Saquarema e São Gonçalo. Nesses 3 municípios, o recolhimento foi feito por pessoa de nome Leandro Pinto Coccaro, empresário na área de medicamentos”, disse Torres.

O empresário disse que a escolha dos municípios partia dele, do Palácio Guanabara (sede do governo do Estado do Rio) e de deputados da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio) ligados ao esquema e do ex-secretário estadual de Saúde Edmar Santos.

OUTRO LADO

Ao jornal O Globo, a Secretaria estadual de Saúde disse ao que todos os contratos, convênios e repasses estão sendo revisados pela pasta, em conjunto com a PGE (Procuradoria Geral do Estado) e a Controladoria Geral do Estado. Afirmou que está tomando as medidas cabíveis para o ressarcimento de valores já pagos pelo Estado.

Wilson Witzel negou que pediu ou recebeu vantagem indevidas. A prefeitura de Caxias falou que Washington Reis não é réu na ação penal e que sua relação com empresários e políticos é pautada por “intenso republicanismo”.

A defesa do Pastor Everaldo disse que ele nunca fez parte de nenhum grupo criminoso. Falou que suas empresas não prestaram serviço ao governo do Estado.

A prefeitura de Petrópolis afirmou não ter cometido nenhum tipo de irregularidade.

A prefeitura de Magé falou desconhecer a denúncia e que não compactua com esquemas ilícitos.

A Secretaria de Saúde de Paracambi também disse não ter conhecimento da denúncia. Afirmou que os recursos recebidos por meio do Fundo Estadual de Saúde estão descritos nos Portais da Transparência.

A Prefeitura de São Gonçalo negou envolvimento na denúncia.

Os demais citados não responderam os contatos ou não foram encontrados.

Fonte: Poder360.



Categorias:Home, Justiça

Tags:, , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: