Saúde foi alertada 7 vezes sobre escassez de medicamentos para intubação

O Ministério da Saúde recebeu, de maio a julho de 2020, 7 alertas sobre a escassez de medicamentos usados na intubação de pacientes com covid-19, como sedativos, anestésicos e bloqueadores musculares.

O jornal Folha de S. Paulo teve acesso a 2 conjuntos de documentos que detalham os alertas ao ministério.

O primeiro lote dos documentos é composto por 7 ofícios enviados pelo Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde). Além dos alertas, eles contêm pedidos de ajuda e detalham o consumo médio mensal dos Estados e os estoques de cada unidade da Federação.

Os restantes documentos fazem parte dos que foram entregues ao MPF (Ministério Público Federal). Uma planilha mostra as entregas feitas de junho de 2020 e janeiro de 2021. Com isso, a reportagem verificou que, mesmo com os alertas, a Saúde providenciou de 3,5% a 5,7% do consumo médio mensal dos Estados.

O 1º alerta foi feito em 4 de maio de 2020 e tratava apenas da situação do Amapá. O Conass pediu 102 mil itens de 21 medicamentos diferentes.

O 2º foi enviado 10 dias depois e já apresentava resultado de consultas feitas com as 27 Secretarias Estaduais de Saúde. Dezenove das 21 que responderam disseram ter “falta ou dificuldade de aquisição” dos medicamentos usados na intubação.

Esses 2 ofícios foram enviados ao então ministro da saúde Nelson Teich. Os demais, ao seu sucessor e agora também ex-ministro Eduardo Pazuello.

O 3º pedido de ajuda foi em 29 de maio. O Conass declarou que a situação tinha se agravado e que havia “desabastecimento total de alguns itens em vários Estados”, com risco à vida dos pacientes.

Em 10 de junho, um novo ofício pediu “máxima priorização” e apoio para aquisição centralizada dos medicamentos. O Conass enviou à Saúde, duas semanas depois, um levantamento completo sobre o consumo médio mensal dos Estados e seus estoques.

Os outros 2 ofícios foram enviados em julho. Um deles pedia apoio para liberação urgente de cadastros para que as Secretarias de Saúde participassem de pregão. O outro apresentava cronograma de entregas a partir de processo licitatório e anotava a “necessidade imediata de abastecimento” dos medicamentos.

Em nota, o Ministério da Saúde disse que a grande demanda mundial comprometeu a oferta.

Desde setembro de 2020, o ministério acompanha, semanalmente, a disponibilidade dos medicamentos de intubação em todo o Brasil e envia informações da indústria e distribuidores para que Estados possam realizar as aquisições”, afirmou a pasta.

Fonte: Poder360.



Categorias:Saúde

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: